Morocco

Marrakech Diary

De malas feitas para mais um destino. Esta foi uma aterragem bastante especial que vai ser recordada para sempre. Fui a convite da Soltrópico passar o fim de semana de Páscoa a Marraquexe com a minha melhor amiga. Tenho o blog há 6 meses e este foi um dos objetivos que finalmente foi alcançado. Visitar e fotografar o mundo com o blog e partilhar as minhas experiências com vocês. Com isto, queria desde já agradecer à Soltrópico pelo especial convite e por ter feito com que realizasse um dos meus sonhos de 2018. Sobre Marraquexe? Venham comigo nesta jornada para saber um bocadinho sobre esta caótica e surpreendente cidade.

Aterrámos numa manhã solarenga e fomos diretamente para o hotel, deixar as malas e aproveitar o sol marroquino na piscina magnífica. Ficámos hospedadas no Hotel Be Live Experience Marrakech Palmeraie (aqui), um hotel de 4 estrelas que nos acolheu na perfeição durante esta estadia. Fomos surpreendidas pelo quarto duplex grande e que nos fez logo sentir em casa. O hotel oferece vários serviços, a gastronomia típica tem uma explosão de sabores e a energia dos animadores é contagiante. Todos os dias começavam numa alegria, com ginástica na piscina, atividades durante o dia e danças e espetáculos pela noite dentro. A nossa estreia no hotel começou por ai, com uma pina colada na mão, a brindar a este sonho que estava a acontecer, a novas aventuras e aos nossos 20 anos de amizade passados ali, em Marrocos! A vontade de ficar no hotel o resto do dia com pina colada na mão era muita, mas também estávamos muito entusiasmadas por visitar cada recanto da cidade. O hotel (GRANDE bónus) oferece shuttles com horários desde de manhã até à noite, que nos levam ao centro da cidade. E lá fomos nós ao final da tarde visitar esta cidade tumultuada.

Os souks!… Há tanto para falar dos souks (mercados), da sua agitação mágica e única. Assim que saímos do autocarro fomos logo recebidas por pequenos e graúdos vendedores a tentar meter conversa para vender a mercadoria. Andámos mais um pouco e vimos um “circo” na praça Jemaa El-Fna, com cobras dançantes e macacos saltitantes. E é aqui que vos dou o meu primeiro conselho.. se olharem quase que têm de pagar! Se quiserem tirar fotografias às bancas e à animação gerada nas ruas, preparem a moedinha.

Em Marrakech têm de entrar no espírito e caminhar como se conhecessem a cidade como a palma da vossa mão, senão algo de caricato pode acontecer. No primeiro dia, estávamos muito felizes à busca de um monumento, com o GPS na mão e com um ar de perdidas. Um rapaz novo perguntou se precisávamos de ajuda e ofereceu-se para nos guiar. Tinha uma graça tão natural que aceitámos logo a ajuda… Querem saber o final da história? Fez-nos dar voltas e voltas e mais voltas, entre ruas estreitas, só para pedir “papel”. Com sorte encontrámos uma família francesa que nos ajudou e nos aconselhou a não aceitarmos ajuda e andarmos sempre com ar confiante. Esta foi logo a nossa primeira aventura nas ruas marroquinas! Ao contar-vos a história não consigo parar de rir!

As nossas manhãs começavam com um pequeno almoço caprichado no Hotel, com uma variedade de opções desde o pequeno almoço intercontinental até ao pequeno almoço mais típico com as suas especiarias e o tão famoso chá marroquino. O resto das manhãs prolongavam-se na piscina a aproveitar cada raio de sol. A tarde ficava sempre reservado para as visitas. Aqui estão alguns lugares emblemáticos:

Le Jardin Majorelle

Paragem obrigatória! Como estávamos com um guia experiente e muito conhecedor das pessoas que lá trabalhavam, conseguimos evitar uma longa fila. Fomos por volta das 9h30 da manhã, e sim este é o melhor horário antes do aglomerado de turistas. No meio da caótica cidade encontramos este refúgio. Um exuberante jardim botânico que como o nome indica, foi fundado em 1931 pelo pintor francês Jacques Majorelle criado. Anos mais tarde, em 1980, foi comprado por Yves Saint Laurent e Pierre Bergé, que o tornaram célebre e abriram as portas da sua encantadora casa. Quando entrarem vão logo apaixonar-se por cada canto. Não só pela distinta alegre casa azul com portas e janelas detalhadas, mas também pela coleção de três mil plantas, cactos exóticos e fontes.

Museu YSL

A poucos passos do Jardim Majorelle encontra-se o museu de Yves Saint Laurent. Um museu construído em terracota com uma arquitetura arrojada, expõe os milhares itens do renomado estilista. Encontramos icónicas coleções assim como várias capas de revista durante a sua carreira.

Palais De la bahia

Dentro da Medina encontramos esta pérola. Um palácio com arquitetura típica, carregada de azulejos de mil e uma cores. Este palácio é um verdadeiro labirinto, com 150 salas, mas apenas 40 estão abertas ao público O chão do pátio principal é trabalhado, coberto por padrões tipicamente marroquinos e as cores de alguns tetos são pintadas com tintas naturais, tais como o açafrão para o amarelo. O valor para entrar neste espantoso palácio é simplesmente 1€.

 Souks

A agitação dos Souks!… Como disse anteriormente, é na praça Jemaa El-Fna que se passa toda a azáfama e toda a magia. É uma energia inigualável, mas temos de estar bem preparados para isso. Na praça encontrámos vários mercados (souks) entre as ruas que parecem labirintos, onde podemos não só fazer compras de artesanato, especiarias, roupas, mas também conhecer um pouco a sua cultura. Quem quiser fazer compras PREPARE-SE. Em Marrocos se perguntarem o valor da peça eles ficam muito ofendidos se no final não levar o que está a perguntar. Honestamente eu não comprei nada, exatamente por isso.

Marrocos deixou tantas saudades. É repleto de misticismo e com o seu encanto peculiar só nos faz querer voltar, por é tão bom relembrar. Estou de coração cheio por ter tido esta oportunidade juntamente com a Soltrópico. Mais uma vez, muito obrigada em particular à Diana que preparou toda esta viagem com muito carinho. Podemos voltar?

No Comments

    Leave a Reply